Segunda-feira, 28 de Abril de 2008
Elogio de Gomes da Silva

Público: Depois disso, foi o caso da Fernanda Câncio, [...] que também não correu muito bem. Foi ideia sua?

António Cunha Vaz: Claro que não. Foi um pedido que foi feito ao meu amigo Rui Gomes da Silva.

P: Quem é que lhe pediu isso?

ACV: Não posso dizer. Pediram-lhe e ele achou que, estando na comissão política, tinha duas hipóteses: ou se demitia ou tinha de fazer aquilo. Decidiu fazer e foi entalado.

 

Tragédia. Há dilemas morais insuportáveis. Decisões que dilaceram quem tem de as tomar. Rui Gomes da Silva merece a nossa admiração. Entre a demissão e o disparate optou por “fazer aquilo”. Depois regressou à penumbra, à solidão do herói trágico e entalado. É provável que muitos cobardes que não ousam dar a cara lhe tenham agradecido a coragem. Mas o que é a coragem quando comparada com o dever cívico? Não é o sacrifício em prol dos superiores interesses da nação o fardo dos grandes homens? Se alguém lá do Partido lhe pede delicadamente que demonstre o seu desapego à inteligência pode um homem sério recusar? O país precisa de homens desta estatura moral, deste calibre ideológico. Homens que se recusam a vergar perante o sentido do ridículo. São homens assim que fazem deste país o que ele é.  



publicado por Bruno Vieira Amaral
link do poste | comentar

pub
pesquisar
 
linques
blogs SAPO