Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008
Vive la France
Nunca vou deixar de me surpreender com o facto do dia mais importante para os franceses, o 14 juillet, ser o mesmo em que uma turba enraivecida esfaqueou o governador da Bastilha, tendo-o depois decepado à machadada e espetado a cabeça numa estaca, para passear por Paris. O maire teve idêntico destino, no mesmo dia. Uma lição de civilização. (Claro, o contexto político, histórico, revolucionário explica tudo. Claro que sim.) Num só dia, ganhou-se e perdeu-se a liberdade.

publicado por Ana Margarida Craveiro
link do poste | comentar
Categorias:

Comentários:
De David Silva a 31 de Janeiro de 2008 às 12:38
Explique lá como se perdeu a liberdade?


De Pedro Sá a 31 de Janeiro de 2008 às 10:09
É tão fácil julgar coisas de há 200 anos com a mentalidade de agora não é ?

Porque, claro, para esta imbecil direita portuguesa o que era bom era a monarquia. E absoluta.


De Luís Lavoura a 31 de Janeiro de 2008 às 10:13
No fim da Segunda Guerra Mundial o ex-comandante do campo de Auschwitz também foi enforcado, após julgamento deveras sumário.

Não vejo grande diferença entre esse enforcamento e o decepar do governador da Bastilha.

Será que a Ana Margarida discorda do decepar do governador, mas concorda com o enforcamento do comandante?

Já agora, na crónica de Fernão Lopes também se conta o destino do bispo de Lisboa, que foi atirado de uma janela do palácio episcopal, arrastado em cadáver pelas ruas de Lisboa, e finalmente dado a comer aos cães. A Ana Margarida discorda?


De bloom a 31 de Janeiro de 2008 às 11:46
Que análise inteligente - e contextual - da Revolução Francesa! Ana Margarida Craveiro, um nome a reter para a futura historiografia mundial....


De CMF a 31 de Janeiro de 2008 às 11:56
Ui, não se pode tocar na Santa Revolução Francesa...


De Miguel Madeira a 30 de Janeiro de 2008 às 23:40
Isto não tem nada a ver, mas o comentário de António de Almeida fez-me lembrar da Biblia (Samuel 8:11 e seguintes).


De António de Almeida a 30 de Janeiro de 2008 às 22:46
-Para quem conhece, na catedral de Notre-Dame existem umas estátuas de reis. A infinita estupidez da turba, julgando tratar-se de estátuas dos reis de França, decepou a totalidade das mesmas. Mais tarde arrependeram-se, quando perceberam terem decepado os reis biblicos do Antigo Testamento.


De Miguel Madeira a 30 de Janeiro de 2008 às 21:37
Além disso, também é o dia em que 98 membros de uma "turba enraivecida" foram mortos.

Já agora, qual é o dia mais importante para os portugueses? Se fosse o 1º de Dezembro era parecido (pelo menos na perspectiva do meu quase homónimo Vasconcelos); provavelmente é o 25 de Abril (ninguém liga ao 10 de Junho), que só não foi uma coisa parecida por pura sorte.

E o dia mais importante para os norte-americanos, que assinala o inicio de uma guerra em que morreram 50.ooo pessoas (pouco é verdade, mas para a população da altura...)


De josé Manuel Faria a 30 de Janeiro de 2008 às 21:47
Para o HP, "nuclear, não obrigado!". O BE nunca afirmaria tal "pecado". Vota PSD.


Comentar post

pub
pesquisar
 
linques
blogs SAPO