Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

blogue atlântico

blogue atlântico

22
Mar08

O declínio

Carlos do Carmo Carapinha
Uma aluna agride verbal e fisicamente uma professora, numa escola «normal», ou, se quiserem, não «problemática». As filmagens dessa agressão chegaram ao YouTube. Aparentemente, um coleguinha filmou tudo.

Do que é que estamos a falar?

Da amoralidade vigente entre os «jovens», onde o «respeito» é uma bizarria própria dos fracos e o «certo» e o «errado» noções à la carte, apreendidas entre a apatia generalizada dos progenitores e os episódios dos Morangos com Açúcar?

Da criminosa ausência do exercício da autoridade por parte de pais, educadores de infância, professores e auxiliares, para quem a criança passou a ser um misto de papão - a quem é preciso tratar com cuidado sob pena de «revolta» - e vítima - permeável a traumas indizíveis?

De uma cultura pop estupidificante e acéfala, onde, em matéria de educação e maneiras, se cultiva a bestialização de tudo o que seja clássico e antigo – numa palavra «quadrado» - e se glorifica toda e qualquer next big thing?

Do facto de ter passado a ser anedota a velha máxima de que “a idade é um posto”?

Da falta de prestigio e de respeitabilidade dos professores nas escolas, consequência de políticas educativas que burocratizaram e baralharam a sua função, e conferiram aos professores um estatuto de fragilidade e vulnerabilidade que faz com que seja vox populi a ideia de que «o professor não só não manda como já nada pode fazer contra os alunos mal comportados»?

Não. Dizem-nos que não. O mundo, aparentemente, mudou. Os paradigmas são agora outros. A moral deve adaptar-se a «contextos», a «especificidades» acessórias e transitórias. Perante o vídeo da agressão da aluna à professora e da atitude abjectamente contemplativa dos colegas, há que enveredar por congeminações relativistas sobre a cronenberguiana «extensão natural do corpo» que constituí um telemóvel, ou por criticas em relação ao comportamento do agente que detém o poder – neste caso a professora – apelidando-o, depois de aturado estudo, de «desadequado», «desajeitado», «impróprio» ou até mesmo «agressivo» (facto que potenciou o desvio comportamental da jovem e inocente aluna). Ou, ainda, desvalorizando aquilo que apelidam de «epifenómenos» (isolados e extraordinários). Elucubrações, aliás, vindas, provavelmente, de psis, pedagogos e intelectuais que, nos seus papeis de pais, também falham em «domar» a «besta» que habita lá em casa (por ausência ou benevolência exacerbadas) e fogem do óbvio para disfarçar a sua própria indigência moral.

Os «valores» de «antigamente» são isso mesmo: despojos de um mundo extinto, sobre o qual já não interessa falar e que apenas certos líricos ainda crêem ser possível sustentar. É este o caldo cultural e social em que vivemos. E agora, reparem: para cúmulo, é este o caldo que potencia a vertigem legalista de governos centralistas, maximalistas e paternalistas (como é o caso do presente), que crêem que a função do Estado é também a de cunhar uma nova linhagem de homens ou a de moldar a actual por decreto. Até à perfeição.

3 comentários

Comentar post

Links

Outros Mares

Outras Ondas

Arquivo

  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2008
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2007
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D