Quinta-feira, 3 de Abril de 2008
Entretanto, voltamos todos ao mesmo


Ao ler a crónica de ontem de Rui Tavares, intitulada ‘Entretanto, o tempo mudou’, sobre os malefícios do capitalismo e as benesses de certa regulamentação estatal da economia, lembrei-me do livro ‘The Roman Revolution’ de Ronald Syme. Nesta obra, escrita em 1939 (quando o pensamento fascista ainda vingava na Europa), aquele ilustre historiador, procurou demonstrar terem sido os aspectos nocivos da República que conduziram à ditadura dos Imperadores.

Para Syme, por volta de 60 antes de Cristo, também ‘o tempo mudou’. No seu entender, Roma, parecendo esquecer todo o sucesso dos anos anteriores, fartou-se das guerras civis, da instabilidade, conspirações e preferiu a certeza do homem forte.

O texto de Rui Tavares é um pouco sobre essa mudança de atitude. Claro que não põe em causa a democracia. Isso seria demais. Prefere o ataque à economia de mercado, na medida em que, nela, as decisões são tomadas por uma maioria difusa e irreconhecível de seres humanos que nunca poderemos castigar. À falta de um culpado tangível, critica-se o sistema, apesar dos sucessos dos anos anteriores.

Rui Tavares conclui que o tempo mudou. Não é verdade. O que mudou foi o surgimento da insegurança que conduz à tentação da ordem. Uma ordem que se reconheça, se possa premiar e, mais importante ainda, culpar.  


publicado por André Abrantes Amaral
link do poste | comentar

Comentários:
De Anónimo a 3 de Abril de 2008 às 13:01
E vocês a darem importância ao tavares. O camarada é um pobre saloio deslumbrado por repararem nele e com imensa necessidade de consideração social.


Comentar post

pub
pesquisar
 
linques
blogs SAPO