Quarta-feira, 16 de Abril de 2008
Ler
João Pereira Coutinho, no Folha de São Paulo:

Os Estados Unidos continuam a ser porta de entrada para artistas do mundo inteiro. Mas por que os próprios americanos "de raiz", aqueles que presumivelmente representam a "cultura americana", não existiriam sem a forte presença do mundo neles próprios. Não existiria Woody Allen sem Bergman; Marlon Brando sem Stanislavski; Stephen Sondheim sem Ravel ou Berlioz.
Não é a "cultura americana" que domina o mundo. Ironicamente, talvez seja o mundo que forma e transforma a "cultura americana".

publicado por Paulo Pinto Mascarenhas
link do poste | comentar

pub
pesquisar
 
linques
blogs SAPO