Quarta-feira, 16 de Julho de 2008
O respeito pelos mortos

 

A troca dos corpos dos dois soldados israelitas pelos 5 prisioneiros libaneses, mais os corpos de 185 combatentes libaneses e palestinianos, não é um sinal de derrota, conforme o Hezbullah quer fazer querer. É antes o sublinhar do valor sagrado que a cultura ocidental sempre deu ao corpo dos que tombaram em combate. Que ninguém fica para trás, vivos ou mortos, porque o que está em causa não é a vida, mas a pessoa. O que ela foi para os seus e, acima de tudo, o que podia ter sido. O que nunca se vai concretizar. Nunca vai acontecer. As oportunidades perdidas e desperdiçadas. O respeito pelo corpo é uma homenagem, um agradecimento e uma admiração.



publicado por André Abrantes Amaral
link do poste | comentar

Comentários:
De Paulo Pinto Mascarenhas a 16 de Julho de 2008 às 13:07
Excelente. Abraço.


De Tiago Galvão a 16 de Julho de 2008 às 13:12
Citando aqueles indivíduos pagos para fazer de claque na assembleia da república: «muito beeem». Um abraço.


De JPG a 16 de Julho de 2008 às 13:22
... quer fazer crer


De Paulo Tunhas a 16 de Julho de 2008 às 15:22
Certo.


De JC a 16 de Julho de 2008 às 17:23

Não partilho deste sentimento de "vitória moral".
Israel cumpre hoje uma jornada dolorosa, recebendo Esta troca é uma derrota para Israel, porque premeia um comportamento que Israel sempre considerou inaceitável.
Contra adversários que exploram os interditos éticos ocidentais, a derrota torna-se cada vez mais provével.
As guerras existenciais para ser ganhas têm de suspender temporariamente certos tabus éticos
Se os terroristas como Kuntar, condenados a prisão perpétua, tivessem sido executados há muito tempo, não haveria incentivo para que o Hezbolah e o Hamas procurassem tão esforçadamente capturar soldados israelitas em operações que são sempre extremamente difíceis e implicam a perda de muitos dos seus operacionais.
Om que motiva estas organizações terroristas não é, de facto, a vida dos seus homens , mas sim as vitórias da propaganda.
Enquanto Israel não restaurar a pena de morte para crimes terroristas e mantiver os criminosos na cadeia, haverá sempre motivação para casos como este.
E para os que se lhe seguirão...


De Pedro Velasco a 22 de Julho de 2008 às 09:17
Pensei algo muito semelhante quando vi as imagens na TV. Trocar dois corpos por 5 terroristas e quase 200 mortos é uma impressionante lição de civilização e de respeito pelo valor da vida humana, dada a quem dela bem precisa.


Comentar post

pub
pesquisar
 
linques
blogs SAPO